Pesquisa
Todas as categorias
    Menu Close

    FASSA SL416 Autonivelante de secagem rápida (25kg)

    Fabricante: FASSA BORTOLO
    FASSA BORTOLO SL 416, é uma argamassa autonivelante de presa rápida para espessuras de 1 a 10 mm para pavimentos interiores. DADOS TÉCNICOS RELEVANTES: Rendimento: 16 kg/m2 por cm; Espessura: 1-10 mm; Granulometria: < 0,6 mm; Trabalhabilidade: 30 min; Tempo de secagem; 60 min; Resistência à compressão aos 28 dias: 31 N/mm2
    Código SKU: 35212871510
    Código fabricante: 896U1
    banner
    22,60€ +IVA
    0,90€ / 1 kg
    Quantidade mínima de compra 5
    i h
    Tempo de entrega estimado: até 3 dias úteis

    (informação do fabricante do produto)

    Vantagens

    • Ótimo nivelamento
    • Fácil de aplicar em obra
    • Ótimas resistências mecânicas
    • Aplicação de revestimentos rápida
    • Para intervenções de reestruturação e de nova construção

    Composição:

    • SL 416 é um pré-misturado seco à base de ligantes hidráulicos de presa e hidratação rápida, areias seleccionadas e aditivos específicos para melhorar a trabalhabilidade e optimizar as características auto-nivelantes.

    Fornecimento:

    • Sacos especiais com proteção contra a humidade de aprox. 25 kg

    Utilização:

    • SL 416 é utilizado para nivelar em ambientes internos sem imperfeições, bases irregulares ou pavimentos antigos em cerâmica, com espessura de utilização de 1 a 10 mm, quando se exige um tempo breve de presa para permitir uma rapida aplicaçao dos pavimentos. Ideal para a colocação de revestimentos em madeira, pedra e cerâmica.
    • Devido às suas elevadas qualidades de autonivelamento, o SL 416 é particularmente adequado para a retificação de pavimentois destinados à colocação de revestimentos de baixa espessura, como materiais resilientes (como linóleo, PVC, carpete, LVT, borracha, etc.) e revestimentos resinosos.
      Graças ao otimo desempenho mecânico.
    • SL 416 é adequado às seguintes finalidades de utilização: 
      • Ambientes de uso doméstico: (hoteis, locais de habitação e serviços)
      • Escritórios privados e públicos;
      • Ambientes públicos (restaurantes, estruturas sanitárias, escolas, ginásios, bibliotecas, etc.);
      • Ambientes de uso comercial (lojas, armazéns, livrarias, centros comerciais, etc.).
    • Respeita as indicações das principais normas de colagem de cerâmica (UNI 11493-1, UNI 11371, UNI 11714-1, UNI 11515-1, UNI 10966, etc.).

    Preparação do suporte:

    • O plano de aplicação deve ser mecanicamente resistente, dimensionalmente estável, sem fissuras, maturado, seco, sem ascensão de humidade e sem óleos, ceras, tintas, resíduos de colas ou qualquer outro elemento que possa comprometer a aderência à base.
    • Superfícies cimentícias: Eventuais fissuras ou juntas de betonagem em superfícies horizontais deverão ser seladas monoliticamente com o selante epoxídico FASSA EPOXY 300.
    • Na presença de betonilhas cimentícias com resistência superficial insuficiente, avaliar a consolidação com o produto específico de elevada penetração PRO-MST;
    • Nas situações mais graves, o tratamento com o primário deve ser associado a um tratamento preliminar de abrasão mecânica. suportes muito absorventes devem ser tratados previamente com primer AG15 diluído com água limpa, numa relação de 1:8 e o alisamento deverá ser aplicado dentro de 24 horas após a secagem do primário.
    • Superfícies em anidrite: as bases em anidrite devem ser sempre devidamente preparadas mediante uma intervenção de abrasão mecânica destinada a tornar a base rugosa; após uma limpeza rigorosa, garantir que o conteúdo de humidade residual é inferior ao limite previsto (de 0,2% a 0,5% em função da utilização e do tipo de revestimento subsequente) e, depois, espalhar com rolo o PRIMER DG74.
    • Antes da aplicação do acabamento liso, assegurar que o suporte tem o primário recomendado e que o mesmo se encontra completamente seco. Pavimentos existentes em cerâmica, mármore, etc.: executar um mapeamento rigoroso para verificar que o pavimento está devidamente aderente ao suporte.
    • Partes destacadas ou degradadas devem ser removidas preventivamente e reparadas com GAPER 3.30 ou LEVEL 30. Executar uma abrasão mecânica seguida de aspiração e limpeza da superfície.
    • Quando a secagem da argamassa ocorrer, e para favorecer a adesão entre o suporte e o auto-nivelante, aplicar o primário de aderência PRIMERTEK 101. Antes da aplicação do acabamento liso, assegurar que o suporte tem o primário recomendado e que o mesmo se encontra completamente seco. 

    Trabalhabilidade:

    • Para aplicação à máquina, utilizar uma máquina de projectar tipo I41 Fassa Bortolo, com adequado equipamento.
    • Para regular corretamente a dosagem da água na máquina e obter a consistência certa da massa, fazer um teste de fluidez com equipamento específico Fassa.
    • Em caso de aplicação à mão, deitar o conteúdo de um saco num balde com água limpa na quantidade indicada nos Dados Técnicos e mexer à mão ou com um agitador mecânico a baixo número de rotações por um tempo não superior a 3 minutos, até obter uma massa fluida, homogénea e sem grumos.
    • Esperar cerca de 2 minutos antes de aplicar e voltar a misturar. SL 416 aplica-se facilmente com uma demão com espessuras de 1 a 10 mm, iniciando da zona de maior espessura, com uma espátula dentada ou com um rodo. Para um melhor resultado final, aconselha-se a utilização de um rolo de picos.
    • As operações acabadas de descrever deverão ser efetuadas dentro dos tempos de processamento do produto.
    • A aplicação dos revestimentos só é possível após a secagem completa; o tempo necessário depende da espessura, da tipologia de suporte, da quantidade de água da massa e das condições termo-higrométricas.
    • Para a aplicação de revestimentos cerâmicos ou pétreos pré-polidos, aconselha-se a nossa cola AZ 59 FLEX, AT 99 MAXYFLEX, SPECIAL ONE, AD 8 amassada com LATEX DE 80.
    • Para os mercados de Espanha e Portugal FASSACOL PLUS, FASSAFLEX BASIC, FASSAFLEX, FASSAFLEX TOP.
    • No caso de ser necessário recorrer a produtos de presa rápida RAPID MAXI S1 e FASSATECH 2. Para a aplicação de um revestimento de madeira, aconselha-se a nossa cola ADYWOOD 2K, cola bicomponente epóxi-poliuretano ou ADYWOOD MS, cola monocomponente silânica para a aplicação de pavimentos de madeira.
    • Para a aplicação de um revestimento resiliente, aconselha-se a nossa cola ADYTEX RS, cola monocomponente acrílica ou ADYTEX 2K, cola epóxi-poliuretano de elevado desempenho.
    • A escolha da cola ocorrerá em função do formato e da tipologia de revestimento prevista. Em todo o caso, proceder à fase de posa do revestimento só depois de ter verificado a adequação do suporte segundo as normas de posa vigentes.

    Observações:

    • Produto para uso profissional.
    • Consultar sempre a ficha de segurança antes de usar.
    • O produto fresco deve ser protegido do gelo e de uma secagem rápida. Normalmente uma temperatura de +5°C é aconselhada como valor mínimo para a aplicação e para um bom endurecimento do produto. Abaixo de tal valor a presa do produto seria excessivamente retardada e abaixo dos 0º C a argamassa fresca ou em fase de endurecimento, seria exposta à acção desagregante do gelo.
    • Não utilizar o produto no exterior, em bases com flexibilidade elevada e em ambientes com presença de água contínua.
    • Evitar a posa de SL 416 a temperaturas superiores a +30°C.
    • Evitar correntes de ar ou forte irradiação solar durante a primeira hora de aplicação (aconselha-se que no período de Verão se utilize tela escura de protecção). Após pelo menos 24 horas de maturação e, em todo o caso, após a presa, arejar os locais para favorecer o endurecimento e para obter uma secagem ótima de SL 416.
    • SL416 deve ser protegido da humidade, do contato acidental com a água, e da formação de condensação com acabamentos adequados.
    • Evitar a posa de SL 416 em espessuras inferiores a 1 mm.
    • Evitar a posa de SL 416 em espessuras inferiores a 3 mm se submetidas a tráfego intenso ou para a posa de parquet.
    • É desaconselhada a aplicação do material em contacto com alumínio puro.
    • O assentamento de pavimentos em madeira, laminados, cerâmicas, etc. só deve ser feito após o controlo de humidade, com o higrómetro de carbureto, e o valor deverá ser de ≤ 2% (in conformità a quanto previsto da UNI 11371 e UNI 11515-1).
    • Para a aplicação de revestimentos em madeira, resilientes ou laminados em betonilhas realizadas com aquecimento de pavimento é necessária uma humidade residual ≤ 1,7% (em conformidade com o previsto na UNI 11371 e UNI 11515-1).
    • Aplicar os revestimentos em pedra sapós a verificação com um higrômetro de carbureto que a humidade residual é ≤ 3% ou ≤ 2% para materiais sensíveis à humidade (em conformidade com o previsto na UNI 11714-1).
    • A medida da humidade residual com higrómetro de carboreto, deve ser efetuada numa betonilha com um conteúdo de humidade alegadamente inferior a 3%, introduzindo na garrafa uma amostra de 50 gramas e uma ampola de carboreto de cálcio. A leitura deverá ser efetuada na escala relativa às 50 gramas, ou através das devidas escalas de conversão fornecidas com o instrumento, 20 minutos após o início do teste (em conformidade com o previsto pela norma UNI 10329). Os instrumentos de tipo elétrico podem fornecer valores pouco precisos.
    • De acordo com as regras de aplicação, a aplicação de um pavimento em cerâmica sobre uma betonilha de base cimentícia qualquer deve ocorrer com um conteúdo de humidade residual ≤ 3% (em conformidade com o previsto pela norma UNI 11493-1).
    • Na presença de pavimento radiante é sempre aconselhável colocar o sistema em funcionamento antes da aplicação de qualquer tipo de pavimento, a fim de ajustar e formar toda a fissuração na betonilha, geradas por acumulações de tensões derivadas da variações térmicas; para o SL 416 realizar o ciclo após um período de cura de pelo menos 7 dias. A aplicação do revestimento deve, depois, ser feita com a betonilha arrefecida.
    • Eventuais juntas presentes no suporte devem ser postas sobre o SL 416.
    • SL 416 deve ser utilizado no estado original sem adição de materiais estranhos.

    Conservação:

    • Conservar em local seco por um período não superior a 6 meses.

    Qualidade:

    • SL 416 é submetido a um constante controlo nos nossos laboratórios. As matérias-primas utilizadas são rigorosamente selecionadas e controladas.

    Documentação técnica

    (informação do fabricante do produto)

    Vantagens

    • Ótimo nivelamento
    • Fácil de aplicar em obra
    • Ótimas resistências mecânicas
    • Aplicação de revestimentos rápida
    • Para intervenções de reestruturação e de nova construção

    Composição:

    • SL 416 é um pré-misturado seco à base de ligantes hidráulicos de presa e hidratação rápida, areias seleccionadas e aditivos específicos para melhorar a trabalhabilidade e optimizar as características auto-nivelantes.

    Fornecimento:

    • Sacos especiais com proteção contra a humidade de aprox. 25 kg

    Utilização:

    • SL 416 é utilizado para nivelar em ambientes internos sem imperfeições, bases irregulares ou pavimentos antigos em cerâmica, com espessura de utilização de 1 a 10 mm, quando se exige um tempo breve de presa para permitir uma rapida aplicaçao dos pavimentos. Ideal para a colocação de revestimentos em madeira, pedra e cerâmica.
    • Devido às suas elevadas qualidades de autonivelamento, o SL 416 é particularmente adequado para a retificação de pavimentois destinados à colocação de revestimentos de baixa espessura, como materiais resilientes (como linóleo, PVC, carpete, LVT, borracha, etc.) e revestimentos resinosos.
      Graças ao otimo desempenho mecânico.
    • SL 416 é adequado às seguintes finalidades de utilização: 
      • Ambientes de uso doméstico: (hoteis, locais de habitação e serviços)
      • Escritórios privados e públicos;
      • Ambientes públicos (restaurantes, estruturas sanitárias, escolas, ginásios, bibliotecas, etc.);
      • Ambientes de uso comercial (lojas, armazéns, livrarias, centros comerciais, etc.).
    • Respeita as indicações das principais normas de colagem de cerâmica (UNI 11493-1, UNI 11371, UNI 11714-1, UNI 11515-1, UNI 10966, etc.).

    Preparação do suporte:

    • O plano de aplicação deve ser mecanicamente resistente, dimensionalmente estável, sem fissuras, maturado, seco, sem ascensão de humidade e sem óleos, ceras, tintas, resíduos de colas ou qualquer outro elemento que possa comprometer a aderência à base.
    • Superfícies cimentícias: Eventuais fissuras ou juntas de betonagem em superfícies horizontais deverão ser seladas monoliticamente com o selante epoxídico FASSA EPOXY 300.
    • Na presença de betonilhas cimentícias com resistência superficial insuficiente, avaliar a consolidação com o produto específico de elevada penetração PRO-MST;
    • Nas situações mais graves, o tratamento com o primário deve ser associado a um tratamento preliminar de abrasão mecânica. suportes muito absorventes devem ser tratados previamente com primer AG15 diluído com água limpa, numa relação de 1:8 e o alisamento deverá ser aplicado dentro de 24 horas após a secagem do primário.
    • Superfícies em anidrite: as bases em anidrite devem ser sempre devidamente preparadas mediante uma intervenção de abrasão mecânica destinada a tornar a base rugosa; após uma limpeza rigorosa, garantir que o conteúdo de humidade residual é inferior ao limite previsto (de 0,2% a 0,5% em função da utilização e do tipo de revestimento subsequente) e, depois, espalhar com rolo o PRIMER DG74.
    • Antes da aplicação do acabamento liso, assegurar que o suporte tem o primário recomendado e que o mesmo se encontra completamente seco. Pavimentos existentes em cerâmica, mármore, etc.: executar um mapeamento rigoroso para verificar que o pavimento está devidamente aderente ao suporte.
    • Partes destacadas ou degradadas devem ser removidas preventivamente e reparadas com GAPER 3.30 ou LEVEL 30. Executar uma abrasão mecânica seguida de aspiração e limpeza da superfície.
    • Quando a secagem da argamassa ocorrer, e para favorecer a adesão entre o suporte e o auto-nivelante, aplicar o primário de aderência PRIMERTEK 101. Antes da aplicação do acabamento liso, assegurar que o suporte tem o primário recomendado e que o mesmo se encontra completamente seco. 

    Trabalhabilidade:

    • Para aplicação à máquina, utilizar uma máquina de projectar tipo I41 Fassa Bortolo, com adequado equipamento.
    • Para regular corretamente a dosagem da água na máquina e obter a consistência certa da massa, fazer um teste de fluidez com equipamento específico Fassa.
    • Em caso de aplicação à mão, deitar o conteúdo de um saco num balde com água limpa na quantidade indicada nos Dados Técnicos e mexer à mão ou com um agitador mecânico a baixo número de rotações por um tempo não superior a 3 minutos, até obter uma massa fluida, homogénea e sem grumos.
    • Esperar cerca de 2 minutos antes de aplicar e voltar a misturar. SL 416 aplica-se facilmente com uma demão com espessuras de 1 a 10 mm, iniciando da zona de maior espessura, com uma espátula dentada ou com um rodo. Para um melhor resultado final, aconselha-se a utilização de um rolo de picos.
    • As operações acabadas de descrever deverão ser efetuadas dentro dos tempos de processamento do produto.
    • A aplicação dos revestimentos só é possível após a secagem completa; o tempo necessário depende da espessura, da tipologia de suporte, da quantidade de água da massa e das condições termo-higrométricas.
    • Para a aplicação de revestimentos cerâmicos ou pétreos pré-polidos, aconselha-se a nossa cola AZ 59 FLEX, AT 99 MAXYFLEX, SPECIAL ONE, AD 8 amassada com LATEX DE 80.
    • Para os mercados de Espanha e Portugal FASSACOL PLUS, FASSAFLEX BASIC, FASSAFLEX, FASSAFLEX TOP.
    • No caso de ser necessário recorrer a produtos de presa rápida RAPID MAXI S1 e FASSATECH 2. Para a aplicação de um revestimento de madeira, aconselha-se a nossa cola ADYWOOD 2K, cola bicomponente epóxi-poliuretano ou ADYWOOD MS, cola monocomponente silânica para a aplicação de pavimentos de madeira.
    • Para a aplicação de um revestimento resiliente, aconselha-se a nossa cola ADYTEX RS, cola monocomponente acrílica ou ADYTEX 2K, cola epóxi-poliuretano de elevado desempenho.
    • A escolha da cola ocorrerá em função do formato e da tipologia de revestimento prevista. Em todo o caso, proceder à fase de posa do revestimento só depois de ter verificado a adequação do suporte segundo as normas de posa vigentes.

    Observações:

    • Produto para uso profissional.
    • Consultar sempre a ficha de segurança antes de usar.
    • O produto fresco deve ser protegido do gelo e de uma secagem rápida. Normalmente uma temperatura de +5°C é aconselhada como valor mínimo para a aplicação e para um bom endurecimento do produto. Abaixo de tal valor a presa do produto seria excessivamente retardada e abaixo dos 0º C a argamassa fresca ou em fase de endurecimento, seria exposta à acção desagregante do gelo.
    • Não utilizar o produto no exterior, em bases com flexibilidade elevada e em ambientes com presença de água contínua.
    • Evitar a posa de SL 416 a temperaturas superiores a +30°C.
    • Evitar correntes de ar ou forte irradiação solar durante a primeira hora de aplicação (aconselha-se que no período de Verão se utilize tela escura de protecção). Após pelo menos 24 horas de maturação e, em todo o caso, após a presa, arejar os locais para favorecer o endurecimento e para obter uma secagem ótima de SL 416.
    • SL416 deve ser protegido da humidade, do contato acidental com a água, e da formação de condensação com acabamentos adequados.
    • Evitar a posa de SL 416 em espessuras inferiores a 1 mm.
    • Evitar a posa de SL 416 em espessuras inferiores a 3 mm se submetidas a tráfego intenso ou para a posa de parquet.
    • É desaconselhada a aplicação do material em contacto com alumínio puro.
    • O assentamento de pavimentos em madeira, laminados, cerâmicas, etc. só deve ser feito após o controlo de humidade, com o higrómetro de carbureto, e o valor deverá ser de ≤ 2% (in conformità a quanto previsto da UNI 11371 e UNI 11515-1).
    • Para a aplicação de revestimentos em madeira, resilientes ou laminados em betonilhas realizadas com aquecimento de pavimento é necessária uma humidade residual ≤ 1,7% (em conformidade com o previsto na UNI 11371 e UNI 11515-1).
    • Aplicar os revestimentos em pedra sapós a verificação com um higrômetro de carbureto que a humidade residual é ≤ 3% ou ≤ 2% para materiais sensíveis à humidade (em conformidade com o previsto na UNI 11714-1).
    • A medida da humidade residual com higrómetro de carboreto, deve ser efetuada numa betonilha com um conteúdo de humidade alegadamente inferior a 3%, introduzindo na garrafa uma amostra de 50 gramas e uma ampola de carboreto de cálcio. A leitura deverá ser efetuada na escala relativa às 50 gramas, ou através das devidas escalas de conversão fornecidas com o instrumento, 20 minutos após o início do teste (em conformidade com o previsto pela norma UNI 10329). Os instrumentos de tipo elétrico podem fornecer valores pouco precisos.
    • De acordo com as regras de aplicação, a aplicação de um pavimento em cerâmica sobre uma betonilha de base cimentícia qualquer deve ocorrer com um conteúdo de humidade residual ≤ 3% (em conformidade com o previsto pela norma UNI 11493-1).
    • Na presença de pavimento radiante é sempre aconselhável colocar o sistema em funcionamento antes da aplicação de qualquer tipo de pavimento, a fim de ajustar e formar toda a fissuração na betonilha, geradas por acumulações de tensões derivadas da variações térmicas; para o SL 416 realizar o ciclo após um período de cura de pelo menos 7 dias. A aplicação do revestimento deve, depois, ser feita com a betonilha arrefecida.
    • Eventuais juntas presentes no suporte devem ser postas sobre o SL 416.
    • SL 416 deve ser utilizado no estado original sem adição de materiais estranhos.

    Conservação:

    • Conservar em local seco por um período não superior a 6 meses.

    Qualidade:

    • SL 416 é submetido a um constante controlo nos nossos laboratórios. As matérias-primas utilizadas são rigorosamente selecionadas e controladas.

    Documentação técnica

    TAG de Produtos